Energia sobe mais do que a inflação em três anos, e conta de luz pode ficar mais cara até dezembro

Nos últimos três anos, a tarifa de energia subiu 70% acima da inflação, e a previsão é que essa tendência de alta se mantenha: a conta de luz pode ficar mais cara até o fim do ano. Segundo especialistas, a bandeira vermelha, cobrança extra na fatura, deve permanecer até outubro, com possibilidade de ser estendida até dezembro se o nível dos reservatórios de hidrelétricas permanecer baixo.

A falta de chuva, aliás, é uma das explicações para o aumento da tarifa de energia residencial de 33,4% entre fevereiro de 2015 e maio de 2018, muito acima da inflação do período, de 19,7%. A alta do dólar é outro fator de influência, já que pressiona as tarifas da usina de Itaipu.

O setor energético também dá dor de cabeça ao governo federal, que não prevê mais a privatização da Eletrobras neste ano, já que o projeto com as regras para o negócio está parado na Câmara. O esforço será concentrado na venda das distribuidoras que operam no Norte e Nordeste para evitar problemas no balanço da estatal. No ano passado, as perdas nesse setor somaram R$ 4,179 bilhões.

O Brasil subiu uma posição e está em 9º lugar no ranking dos dez maiores produtores de petróleo. A produção média é de 3,2 milhões de barris por dia — 3% do total mundial.

Informações de O GLOBO

Comente esta matéria