PT tenta esticar a corda, mas sabe que chance é remota

POR LETÍCIA SANDER, DIRETORA DA SUCURSAL DE SÃO PAULO

Após as convenções partidárias e a definição dos vices, os eleitores assistem a mais uma tentativa do PT de manter o nome do ex-presidente Lula na chapa, a despeito de ele vir a ser enquadrado na lei da Ficha Limpa e, por isso, impedido de disputar a presidência.

Nesta segunda-feira, o petista desistiu de um pedido de soltura feito ao Supremo Tribunal Federal (STF). A defesa de Lula entendeu que, se esse pedido fosse julgado, a discussão sobre elegibilidade poderia ser antecipada durante a análise deste recurso.

Uma decisão final do STF sobre elegibilidade agora obrigaria o PT a riscar Lula da chapa e nomear oficialmente outro candidato. E o ex-presidente, mesmo que muito provavelmente perca o direito de
concorrer, quer registrar seu nome para disputar a presidência no dia 15 de agosto e esticar ao máximo a situação de candidato.

Uma sucessão de recursos e batalhas judiciais vai dominar o debate político nas próximas semanas. Mas o próprio PT sabe que as chances de Lula se manter no páreo são remotíssimas. Tanto é que, no domingo, o partido já sinalizou qual será a chapa que substituirá Lula: o paulista Fernando Haddad e a gaúcha Manuela D’ávila (PCdoB).

Fonte: O GLOBO

Comente esta matéria