Deputado que criou aplicativos que pagavam por elogios na internet tem vida de celebridade em BH

Próximo ao governador Fernando Pimentel, Miguel Corrêa (PT-MG) é candidato ao Senado

Dono das empresas que pagavam influenciadores digitais para divulgarem conteúdo elogioso a candidatos petistas na internet, o deputado federal e candidato ao Senado Miguel Corrêa (PT-MG) usou sua proximidade com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), para progredir no partido e divulgar seus trabalhos no meio político. Nascido em uma região pobre de Belo Horizonte chamada Venda Nova, Corrêa começou a fazer política aos 22 anos com a criação de uma organização não governamental (ONG) voltada para capacitação de jovens, batizada de “Mudança Já”, que alavancou sua carreira na vida pública e nos negócios de maneira meteórica.

Membro da juventude do PPS e militante estudantil, Corrêa foi presidente do diretório acadêmico da Uni-BH, onde se formou em História. Ele chamou a atenção dos caciques da política mineira ao se eleger vereador com uma estrutura de campanha restrita e angariar grande parte dos votos da região norte de Belo Horizonte, graças à atuação de sua ONG.

Lideranças do PT, como o deputado estadual Roberto Carvalho e o próprio Fernando Pimentel, na época prefeito de Belo Horizonte, viram no jovem e articulado político a possibilidade de trazerem a região de Venda Nova para o partido. Filiado ao PT, Corrêa não chegou a terminar o mandato de vereador e dois anos depois já disputou uma vaga na Câmara dos Deputados, elegendo-se em 2006.

Doze anos depois, muita coisa mudou na vida do deputado, que está em seu terceiro mandato. Ele ocupou por três anos a Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do governo Pimentel, em Minas, e mudou a sede de sua ONG da periferia para um dos endereços mais nobres de BH, onde também instalou sua empresa de tecnologia.

Em 2015, Corrêa se casou com a ex-BBB Letícia Santiago, com quem compartilha em redes sociais viagens, passeios de barcos, baladas e a vida em família. O casal também se tornou habitué dos restaurantes mais caros da cidade, como o Favorita. Sempre que chegam no lugar, fazem questão de sentar na varanda para verem e serem vistos, segundo amigos.

A gente ganha uma roupinha, viagem, mas o que a gente precisa é dindim — disse Letícia em vídeo divulgado terça-feira pelo marido para se defender das acusações de compras de influenciadores.

Em um evento em maio deste ano, o deputado exaltou a bem sucedida carreira e disse que era dono de 19 empresas. Questionado sobre a afirmação, disse que são pequenas iniciativas na área de tecnologia. Até esse mês, os planos de Corrêa iam de vento em popa, inclusive com sua candidatura ao Senado. O seu envolvimento no caso da compra de publicações na internet, porém, interrompeu seu discurso de campanha.

— Eu tenho uma vida lisa, reta, 18 anos sem processo, nem inquérito, sem nada. Tudo que tenho está na minha declaração à justiça eleitoral — disse ao GLOBO.

Fonte: O GLOBO

Comente esta matéria