Eleições 2018

Más notícias para Fernando Haddad

POR LETÍCIA SANDER, DIRETORA DA SUCURSAL DE SÃO PAULO

A seis dias das eleições, a campanha do presidenciável Fernando Haddad (PT), que vinha em trajetória crescente desde que ele foi lançado oficialmente na disputa, foi alvejada por más notícias. Parte significativa delas veio dos números do último levantamento do Ibope, divulgado na segunda-feira à noite.

A pesquisa registra Haddad estacionado em 21%. No mesmo período, seu principal rival na disputa, Jair Bolsonaro (PSL), cresceu quatro pontos, alcançando 31% das intenções de voto. É a maior distância entre os dois desde que o petista virou candidato.

A campanha de Bolsonaro teve farta exposição nos últimos dias, mas boa parte dela carregou um viés negativo: assessores seus deram declarações polêmicas, exploradas por adversários, a revista Veja trouxe acusações de ocultação de patrimônio e os protestos do #EleNão tiveram maior repercussão que os atos de apoio ao candidato.

Mas, de acordo com o Ibope, Bolsonaro se mostrou imune aos ataques. E, enquanto isso, o sentimento antipetista cresceu. A pesquisa mostra que a rejeição a Haddad disparou, subiu 11 pontos e chegou a 38%.

O dado mais curioso do Ibope aponta que o crescimento de Bolsonaro foi impulsionado justamente pelo aumento do apoio de mulheres ao candidato: ele foi de 18% para 24% neste segmento.

A outra má notícia para a candidatura de Haddad veio de Curitiba. O juiz Sergio Moro, responsável pela Lava-Jato no Paraná, tirou na segunda-feira o sigilo do acordo de delação de Antonio Palocci. No depoimento tornado público, o ex-ministro petista afirma, entre outros pontos, que campanhas presidenciais do PT custaram mais que o dobro dos valores declarados à Justiça Eleitoral. Adversários já avaliam levar o conteúdo da colaboração para atacar Haddad na propaganda eleitoral na TV.

Fonte: O GLOBO

Comente esta matéria