No último debate, ataques ao PT e a Bolsonaro, que faltou e deu entrevista a outra emissora

O último debate da corrida presidencial , na TV Globo, foi a tentativa final de a maior parte dos candidatos de disputar o posto de “terceira via”, aquele que teria capacidade de desfazer a polarização entre os líderes das pesquisas de intenção de voto, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), e chegar ao segundo turno. Mesmo ausente, alegando ainda estar em recuperação médica, Bolsonaro foi o alvo preferencial da noite. Haddad também foi atacado com frequência e teve de responder sobre escândalos de corrupção envolvendo seu partido. Confira os momentos mais importantes e os detalhes dos bastidores do debate.

Os ataques, no entanto, não devem atingir o eleitorado disposto a votar em Bolsonaro, afirma Paulo Celso Pereira, diretor da Sucursal de Brasília. A estratégia de Haddad é que chama atenção: criticou temas caros aos eleitores de centro-direita, de quem precisará num eventual segundo turno.

Enquanto isso, Bolsonaro deu entrevista para a Record TV. Falou durante 25 minutos. Seus adversários tentaram impedir a veiculação: alegaram que o capitão da reserva teria mais tempo do que eles durante horário nobre na televisão e estaria livre de críticas dos demais candidatos. Mas, no Tribunal Superior Eleitoral, os pedidos foram vistos como “censura prévia”.

Outro ausente do debate, o Cabo Daciolo (Patriota) usou o Facebook para avisar que voltará para seu retiro de oração em um monte na Zona Oeste do Rio.

Fonte: O Globo

Comente esta matéria