Estudantes da UNEB visitam a aldeia indígena de Massacará

Por: Núbia de Abreu Brito – Diretora de Educação e Cultura da FACE

Neste sábado 27/03/2009 os estudantes de letras da UNEB campus XXII Euclides da cunha do 8º período vespertino e noturno, fizeram uma visita temática a aldeia indígena de massacará. O objetivo da viagem foi adquirir mais conhecimentos voltado para a disciplina Cultura indígena que faz parte do currículo escolar da universidade, além de ver na prática alguns conteúdos que foram debatidos e adquiridos durante o semestre. Recebidos pelo filho do cacique da tribo Kaimbés, Ivaniltom Narciso Pereira 22 anos, o qual acompanhou os estudantes, relatou e apresentou um pouco de sua historia, de sua tradição e de sua cultura. Explicou ainda o motivo pelo qual não estavam vestidos com os trajes de índio, dizendo que sua população só se caracterizava em dias especiais tais como: o dia da feira da cultura que sua aldeia promove, nos dias em que dançam o toré e no dia 19 de abril que é o dia do índio. Ressaltou ainda que apesar de não estarem caracterizados com suas vestes, é no espírito que eles carregam o seu índio. E sobre essa afirmação apresentou uma frase do seu irmão mais velho, Evangelista Narciso Pereira que diz: “perdemos nossas características físicas, mas mantemos vivo nosso espírito”.

Ivaniltom discorreu ainda sobre a economia de seu povo a qual gira em torno da agricultura, ressaltando que eles estão com vários projetos para a aldeia, dentre eles o da apicultura e o da horticultura. Falou um pouco das suas lendas, de como eles fazem para se divertirem, além de sua cultura e sua religião. Sendo assim, os alunos saíram encantados com o que tinham ouvido e muito satisfeitos com as informações, as quais só ampliaram na sua formação acadêmica. Tudo isso é mais uma prova de que conhecimento não se adquire somente entre quatro paredes, mas está além dessa concepção, visto que, às vezes é necessário ultrapassar as muralhas e partir para um contato mais humano, a fim de resgatar e passar a história de um povo de forma mais dinâmica e prazerosa.

 

Comente esta matéria